Missão Europeia visita o território do Alto Rio Pardo

compartilhar


Polpas de fruta lotavam os freezers da pequena agroindústria da comunidade Água Boa II, enquanto uma comitiva de pesquisadores estrangeiros, além de técnicos e parceiros do Bem Diverso usavam tocas higiênicas para acompanhar cada um dos processos – desde a lavagem da fruta até o empacotamento e rotulagem do produto. O beneficiamento das espécies do Cerrado tem transformado a vida de centenas de famílias na região. Acompanhar e conferir este e outros resultados da atuação do projeto no território foi o objetivo da missão, que aconteceu de 03 a 07 de março e percorreu municípios que abrigam as atividades do Bem Diverso no Alto Rio Pardo, ao norte de Minas Gerais.

 

polpas COOPAAB

polpas COOPAAB



Verina e Dietrich se preparam para entrar na agroindústria de polpas

Verina e  Dietrich se preparam para entrar na agroindústria de polpas



A viagem é parte do projeto Diálogos Setoriais, que viabilizou a troca de experiências entre pesquisadores brasileiros e europeus, promovido pela União Europeia, Ministério de Economia, Ministério de Relações Exteriores e do Projeto Bem Diverso (PNUD/GEF/EMBRAPA).

A primeira parada foi o CAA/NM – Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas, a Cooperativa Grande Sertão e a AEFA – Área de Experimentação e Formação em Agroecologia, em Montes Claros.

“Os produtos da sociobiodiversidade são processados dentro de um sistema que, além de gerar renda e garantir a segurança alimentar das comunidades rurais, conserva e preserva o Cerrado e a Caatinga, recupera nascentes e áreas degradadas, forma guardiões de sementes nativas; capacita e encoraja os jovens a permanecerem e viverem dos bens da terra”, declarou Álvaro Carrara, da coordenação do CAA/NM.

Produção de óleo de buriti Cooperativa Grande Sertões

Produção de óleo de buriti Cooperativa Grande Sertões



Reunião na Cooperativa Grande Sertões

Reunião na Cooperativa Grande Sertões



Educação no campo

Em Taiobeiras, na EFA – Escola Família Agrícola Nova Esperança - foi a vez de comprovar o fortalecimento das tradições e técnicas rurais passadas a jovens em curso técnico inserido na grade do ensino médio. Eles aprendem as tecnologias sustentáveis para empregar nas comunidades em que vivem.

“Muitos jovens vão perdendo a identidade com o campo, achando que a roça e a produção de alimentos não são importantes... e foi pra ir contra isso que nasceu a EFA Nova Esperança, porque a educação no campo é direito” explicou o diretor, Josimar Almeida.

 

Escola Família Agrícola Nova Esperança

Escola Família Agrícola Nova Esperança



EFA - Escola Família Agrícola Nova Esperança

EFA - Escola Família Agrícola Nova Esperança



Apresentação sobre a Escola Agrícola Nova Esperança

Apresentação sobre a Escola Agrícola Nova Esperança



Apresentação sobre a Escola Agrícola Nova Esperança

Apresentação sobre a Escola Agrícola Nova Esperança



Para o finlandês Mikko Kurttila, principal cientista da Luke Natural Resources Institute Finland, o Projeto é bem estruturado e está ajudando as comunidades a desenvolver suas atividades em bases sustentáveis. “Isso é excelente. O que eu aprendi com o Projeto Bem Diverso no Brasil é fazer o uso da biodiversidade priorizando a conservação, enquanto na Finlândia, nós não usamos a biodiversidade, a preocupação é apenas preservar”, disse.

Pequi daqui

Em todos os lugares que passou, a comitiva provava da alimentação à base de espécies locais, tanto in natura - como o pequi, a cagaita, o araticum – até os já beneficiados e com valor agregado, como o café especial sombreado Cacunda de Librina, de excelente qualidade, produzido em Sistemas Agro-florestais (SAFs) na comunidade Vereda Funda, em Rio Pardo de Minas, a cerveja artesanal de coquinho azedo da Grande Sertão; e ainda as polpas das inúmeras frutas do Cerrado produzidas pela COOPAAB – Cooperativa de Agricultores Agroextrativistas de Água Boa II.

Alimentação com produtos regionais

Alimentação com produtos regionais



O grupo acompanhou o trabalho dos coletores e restauradores do Cerrado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Nascentes Geraizeiras (Alto Rio Pardo) que contaram, com muito orgulho, como o projeto os incentiva a recuperar o bioma e os meios de vida das comunidades locais.

“O uso sustentável do Cerrado vem mudando a geração de renda de nossa comunidade. O trabalho contribui para a valorização das raízes locais e a permanência dos jovens no campo”, declarou a jovem restauradora Fabrícia Santarém.

No aspecto cultural, foram recebidos na RDS por um grupo de seresteiros, ou reizeiros, com a tradicional Folia de Reis e com Catira – dança folclórica regional, além de, em todos os lugares, terem como anfitriões uma gente aguerrida, amistosa e muito receptiva.

catira

catira



restauradores

restauradores



“O Bem Diverso contribui com a manutenção da biodiversidade de forma inclusiva, até porque essa promoção não faz sentido sem englobar as pessoas”, sinalizou Rui Ludovino, conselheiro da Delegação da União Europeia no Brasil. Ele salientou a importância do projeto no enfrentamento das mudanças climáticas e da crise ecológica que o planeta enfrenta. “É preciso corroborar para o grande pacto verde estipulado globalmente”, complementou.  

Consolidando parcerias

Para Dietrich Darr -  professor de agribusiness da Hochschule Rhein-Waal University of Applied Sciences, na Alemanha, e Verina Ingram, da Wageningen University and Research (Países Baixos); a hora é de consolidar os produtos com investimento em crédito e em estratégias de marketing, para que possam manter a sustentabilidade da cadeia se tornando mais atraentes e ter acesso a crédito para alcançarem o mercado (nacional e internacional). “Estamos aqui para discutir com nossos colegas pesquisadores da Embrapa como podemos trabalhar juntos nessas questões”, declarou o alemão.  

Já para a holandesa Verina, a forma com que a comunidade clama por suas terras e emprega o desenvolvimento sustentável é parecido com algumas populações que ela acompanha onde mora, em Camarões, na África.

Funcionárias da AEFA descascam tamarindo para a produção de polpa

Funcionárias da AEFA descascam tamarindo para a produção de polpa



“Parcerias são necessárias, aprender uns com os outros, compartilhar experiências e erros, especialmente, porque há muito foco no sucesso. Agora vejo a necessidade de investidores para os negócios e marketing para manter a sustentabilidade da cadeia, da produção aos consumidores”, disse ela.

Para Fernando Moretti, Assessor Técnico do PNUD, a estratégia do Seminário Internacional em Brasília e da Missão de Campo foi mostrar que o conhecimento acumulado tanto pelo Bem Diverso, quanto pelas experiências compartilhadas pelos pesquisadores e professores europeus serviu para identificar paralelos e possibilidades de colaboração e cooperação técnica entre os vários atores envolvidos. “A parceria entre os Projetos Diálogos Setoriais e Bem Diverso se mostrou bastante rica na promoção do intercâmbio de conhecimentos entre as diversas experiências nas áreas de extrativismo e conservação pelo uso sustentável, e agora trabalharemos para que esta parceria siga profícua, seja através de novos editais, pesquisas ou mesmo projetos”, disse Moretti.

 

O Coordenador do Projeto Bem Diverso e Pesquisador da EMBRAPA, Anderson Sevilha, salienta que os próximos passos serão justamente relacionados à formalização das parcerias institucionais com a Embrapa, o Bem Diverso, instituições e Universidades envolvidas no Diálogos Setoriais, ou seja: escrever projetos para buscar recursos e dar continuidade ao trabalho em campo executado no território.

“A troca de experiência começou entre os pesquisadores, mas a ideia é que se amplie com o intercâmbio de estudantes, agricultores, extensionistas brasileiros e europeus, para que conheçam as diferentes realidades”, afirma Sevilha. Um ponto foi marcante em todas as falas: o complemento que o projeto traz em relação à pesquisa, já que o Bem Diverso é um projeto de desenvolvimento. “Isso chamou a atenção dos estrangeiros: a nossa capacidade de trazer a pesquisa voltada para o desenvolvimento local dessas comunidades”, finaliza o Coordenador do Bem Diverso.

Anderson Sevilha abraça Mikko Kurtilla

Anderson Sevilha abraça Mikko Kurtilla