Engajamento das comunidades tradicionais reforça desafio da conservação dos biomas

compartilhar

Em evento temático em Brasília, representantes de povos tradicionais e consultores técnicos do Bem Diverso mostram a importância do envolvimento das comunidades para a manutenção dos biomas Amazônia, Caatinga e Cerrado, áreas de atuação do Projeto

No estande da Embrapa na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2018 (SNCT) o público analisava, cheirava e olhava mais de perto os frutos, sementes e produtos da biodiversidade. De 15 a 21 de outubro, quem esteve em Brasília pôde visitar o espaço do Projeto Bem Diverso na feira e entender como as atividades realizadas por pequenos agricultores e jovens de comunidades tradicionais refletem não só no aprimoramento do extrativismo familiar, mas também são fundamentais para a conservação dos biomas brasileiros.

Uma das atividades da programação reuniu, em uma roda de conversa organizada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no estande Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), comunicadores populares do Território de Alto Rio Pardo (MG), estudantes, professores para compartilhar experiências bem-sucedidas no campo. Os jovens comunicadores Valdir Dias e Nina Ribas realizam oficinas de comunicação popular com jovens de sua região, e destacaram a relevância do olhar da comunidade para resgatar a beleza do Cerrado e a tradição de seus modos de vida.

“A comunicação interfere no nosso dia a dia. Muitas vezes, a grande mídia mostra uma imagem que não nos representa. A partir das oficinas estamos conseguindo quebrar esse estereótipo e mostrar nossa riqueza geraizeira”, defende Valdir. Os Geraizeiros habitam os chamados “Gerais”, região de chapadas do Cerrado norte-mineiro que cobre boa parte do Território Alto Rio Pardo. Este grupo tem forte ligação com a terra, manejando-a há séculos no extrativismo de produtos do Cerrado em uma colaboração mútua entre seus povoados na troca de plantas e de conhecimentos associados à natureza.

A identificação como Geraizeira só foi possível para a jovem Nina por meio das oficinas de comunicação. Após morar alguns anos em Belo Horizonte, ela retornou a sua comunidade em Taiobeiras, e “descobriu-se” representante do tradicional grupo mineiro. “A partir das oficinas há uma autovalorização e resgate cultural muito grande. A participação das mulheres e das crianças é essencial, pois eles são parte fundamental da lida do trabalho no campo”, empodera-se.

A importância de inserir as populações tradicionais em ações que visem a conservação dos recursos naturais nos Biomas Cerrado e Caatinga foi tema de palestra na SNCT. Na apresentação da consultora do Projeto em Alto Rio Pardo Juliana Loureiro, ela defendeu que o processo de conservação da biodiversidade pelo seu uso perpassa o engajamento das comunidades extrativistas, “afinal são eles os detentores dos conhecimentos tradicionais”.

Programação

A programação ainda contou com outras quatro palestras de consultores Bem Diverso nos territórios. O tema boas práticas de uso e de manejo da biodiversidade do Cerrado norte-mineiro foi apresentado por Nayara dos Santos Moreira, enquanto a importância do manejo sustentável de Produtos Florestais Não Madeireiros (PFNMs) e de Sistemas Agroflorestais (SAFs) como estratégia para a conservação da biodiversidade do Bioma Caatinga ficou por conta de Victor Lima.

As demais apresentações abordaram os efeitos do extrativismo, manejo, uso da terra e fatores ambientais na persistência de populações de espécies arbóreas exploradas no Cerrado e a análise de um programa de restauração para a superação de desafios sociais, ambientais e econômicos. As palestras ficaram a cargo dos consultores Juliana Ferreira e Artur Sousa.

Segundo o Assessor Técnico do Bem Diverso Fernando Moretti, o Projeto está alinhado diretamente com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 15 - Vida Terrestre. “Por tratar temas relacionados ao uso sustentável nos Territórios, o Projeto Bem Diverso vai além do ODS 15, pois desenvolve atividades que permeiam outros objetivos", declara Moretti ao citar o ODS 2 – Fome Zero e Agricultura Sustentável; ODS 5 – Igualdade de Gênero; ODS 6 – Água Potável e Saneamento; ODS 12 – Consumo e Produção Responsáveis.

Lara Aliano, Agência MOC

Notícias Relacionadas

Os caminhos de Antônio, conselheiro do Sertão

Expedição da Caminhada dos Umbuzeiros desbrava a Caatinga e mostra todos seus encantos. Quem conta é a bolsista do Projeto...

Leia Mais
Comunidades tradicionais são as guardiãs da biodiversidade do Cerrado

Os Geraizeiros fazem parte desse grupo e defendem as boas práticas extrativistas para o seu desenvolvimento econômico e,...

Leia Mais
Umbu se destaca na paisagem em maior safra dos últimos três anos

Fruto símbolo da Caatinga proporciona desenvolvimento econômico às comunidades do Território do Sertão do São Francisco (BA)

Leia Mais
Parceria no Sertão da Bahia capacita jovens em comunicação e fortalece preservação da Caatinga

Bem Diverso e IRPAA oferecem ações de formação às comunidades locais para o fortalecimento dos modos de vida, recuperação do...

Leia Mais