Curso de Boas Práticas de Fabricação de Alimentos proporciona troca de experiências no Alto Rio Pardo

compartilhar

Extrativistas, técnicos, extensionistas, estudantes, professores e pesquisadores participam de semana de atividades em Montes Claros (MG)

Doces, geléias, biscoitos, farinha e café especial. Polpa de açaí, de coquinho azedo, de cagaita, araçá, umbu, maracujá nativo, mangaba, acerola, pequi e diversos outros frutos. Extrativistas, técnicos, extensionistas, estudantes, professores. Cerca de trinta pessoas participam do Curso de Boas Práticas de Fabricação (BPF) de Alimentos, realizado entre 01 e 05 de julho, em Montes Claros (MG).

A atividade foi organizada pelo Projeto Bem Diverso, através dos pesquisadores e analistas da Embrapa Agroindústria de Alimentos, do Rio de Janeiro, e de parceiros locais, como o Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas, Cooperativa Grande Sertão e EMATER-MG.

O objetivo é contribuir para que os territórios tenham modelos de referência técnica relacionados aos procedimentos de BPF, e que os empreendimentos envolvidos possam aprimorar a qualidade dos produtos do extrativismo vegetal, monitorando e inspecionando o local e a higiene na industrialização. 

É o caso de Fernanda Santos, diretora da Escola Família Agrícola Nova Esperança, no TC Alto Rio Pardo, que atende filhos de agricultores de 60 comunidades da região. A agroindústria é tema de duas disciplinas na escola e, para ela, o curso “é uma oportunidade de aprender desde noções de microbiologia até gestão e repassar esses conhecimentos para fortalecer o processo de ensino com os estudantes e as comunidades atendidas pela EFA”.

“É importante agregar novas técnicas não apenas para auxiliar o pessoal na fábrica, mas também os produtores, pois a boa qualidade do produto acabado vem desde o início da produção no campo”, completa Douglas Araújo Moura da cooperativa Grande Sertão.

O curso é estruturado em aulas teóricas e práticas. Ao final, os participantes serão capazes de compreender os fatores relacionados à deterioração de alimentos e suas repercussões na saúde humana e conhecer as práticas para evita-la; assegurar a qualidade dos alimentos ao longo de toda a cadeia produtiva e ter condições plenas para a elaboração de Manuais de Boas Práticas de Fabricação.

Entre os temas abordados estão microbiologia de alimentos, instalações e operações, princípios de higiene e transporte e armazenamento. Outro tema importante é a rotulagem dos produtos, que, além de garantir a rastreabilidade, informa o consumidor sobre aspectos como a composição, data de validade dos produtos.

“Escolhemos temas que são temas costumeiros dentro da agroindústria”, explica Fénelon do Nascimento Neto, pesquisador da Embrapa responsável pela atividade. “Quando uma entidade como a nossa trabalha com a promoção da agroindústria, se torna responsável por aquilo que promove perante ao consumidor. Essa é, para nós a importância do curso”, completa.

A melhora substancial da qualidade dos produtos da sociobiodiversidade, além de facilitar os processos de registro, abre possibilidades de mercado, agregando valor aos produtos e abrindo novas possibilidades de comercialização. “Valorizando o trabalho das agroindústrias comunitárias e o trabalho do extrativista para a conservação da biodiversidade, podemos também ir além do trabalho instalado em campo e intensificar o trabalho no processamento, aumentando o mercado para os produtos ao mesmo tempo em que resgatamos as tradições de cultivo das comunidades”, explica Anderson Sevilha, coordenador do Projeto e Pesquisador da Embrapa.

Duas cooperativas do Território Alto Rio Pardo, Coopaab e Grande Sertão, que participaram do curso, receberão assessoria contínua para a implementação de boas práticas que visam a segurança dos alimentos. A ideia é que elas possam servir como referência para outras agroindústrias do Território.

O Bem Diverso

O Bem Diverso é uma parceria entre a Embrapa e o Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD), executado com o apoio de organizações do governo e da sociedade civil com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF). A iniciativa abrange ações em outros cinco Territórios  e é liderada pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. O principal objetivo é conservar a biodiversidade brasileira e gerar renda para comunidades tradicionais e agricultores familiares.

Lara Stahlberg / Agência MOC

 


Notícias Relacionadas

Bem Diverso discute planos de trabalho para as agroindústrias de alimentos nos Territórios

As ações serão voltadas a formação de multiplicadores em boas práticas de produção, atendimento à legislação e enfrentamento...

Leia Mais
Livro apresenta diagnóstico da atividade agroindustrial familiar no Acre

Publicado em parceria com o projeto Bem Diverso em formato impresso e digital, o livro apresenta os desafios para o...

Leia Mais