Conheça mais sobre a Agricultura familiar

compartilhar:

No dia 25 de Julho é comemorado o Dia Internacional da Agricultura Familiar

Você sabe a diferença entre a agricultura familiar e a agricultura não familiar? As dinâmicas e características são distintas entre elas, a começar pela gestão da propriedade. Na agricultura familiar, a terra é o local de trabalho e moradia, compartilhada pela família na atividade produtiva agropecuária e agroextrativista, sendo a principal fonte geradora de renda.

A relevância da agricultura familiar vai além da economia e da geração de renda. Há que se levar em consideração a questão cultural desse modelo de produção, já que o agricultor familiar extrativista tem uma relação particular com a terra, mais próxima devido à tradição familiar, passada de geração em geração. Além disso, a diversidade produtiva também é uma característica marcante desse setor.

Neste contexto, os pequenos agroextrativistas se tornam guardiões da biodiversidade de suas regiões. Com a parceria do Projeto Bem Diverso (EMBRAPA/PNUD/GEF), comunidades e instituições locais buscam aprimorar as tecnologias para o manejo sustentável das  espécies que utilizam, levando em consideração a experiências históricas de cada região, as expressões culturais e modos de vida locais para assegurar a conservação da biodiversidade e a manutenção dos serviços ambientais.

Mulheres geraizeiras do Alto Rio Pardo (MG) na atividade de beneficiamento do coquinho azedo

Mulheres geraizeiras do Alto Rio Pardo (MG) na atividade de beneficiamento do coquinho azedo



Mulheres geraizeiras do Alto Rio Pardo (MG) na atividade de beneficiamento do coquinho azedo © Acervo Bem Diverso

Segundo dados do Censo Agropecuário mais recente (produzido em 2006), 84,4% do total dos estabelecimentos agropecuários brasileiros pertencem a grupos familiares. São aproximadamente 4,4 milhões de estabelecimentos, sendo que a metade deles está na Região Nordeste.

Os dados mostram que a base familiar na agricultura constitui a base econômica de 90% dos municípios brasileiros com até 20 mil habitantes e responde por 35% do produto interno bruto nacional. 40% da população economicamente ativa do país é absorvida por este modelo.

Ainda segundo o Censo, a agricultura familiar produz 87% da mandioca, 70% do feijão, 46% do milho, 38% do café, 34% do arroz e 21% do trigo do Brasil. Na pecuária, é responsável por 60% da produção de leite, além de 59% do rebanho suíno, 50% das aves e 30% dos bovinos do país. A agricultura familiar possui, portanto, importância econômica estratégica, vinculada ao abastecimento do mercado interno e ao controle da inflação dos alimentos consumidos pelos brasileiros.

Conforme a Lei nº 11.326/2006, é considerado agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades no meio rural, possui área de até quatro módulos fiscais, mão de obra da própria família, renda familiar vinculada ao próprio estabelecimento e gerenciamento do estabelecimento ou empreendimento pela própria família.

Também são considerados agricultores familiares: silvicultores, aquicultores, extrativistas, pescadores, indígenas, quilombolas e assentados da reforma agrária.

Lara Aliano/ Agência MOC
Com informações da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, Casa Civil.