Bem diverso: protótipo de ferramenta quebra coco entra em fase de testes

compartilhar

Tecnologia produzida a partir de peças de ferro velho pode facilitar o trabalho das quebradeiras de coco babaçu

As quebradeiras de coco babaçu do Maranhão podem ganhar um importante auxílio para o seu trabalho. A Embrapa, por meio do Projeto Bem Diverso, está desenvolvendo uma ferramenta manual para a quebra do coco e extração da amêndoa, de baixo custo de produção e de uso individual.

“A proposta é desenvolver uma ferramenta relativamente barata e que possa servir às quebradeiras em nível individual. É neste campo de inovação, de oferecer uma ferramenta a preço acessível a cada quebradeira, que estamos”, explica o responsável pelo desenvolvimento da iniciativa, o pesquisador José Mário Ferro Frazão.

O protótipo é uma estação de trabalho com uma cadeira, sistema de redução de força, lâmina de corte e espaços para alocar os cocos, as amêndoas e as cascas. “Os cinco protótipos que estão em teste em campo foram construídos com peças usadas de carros em ferro-velhos”, ressalta Frazão.

48bba7b5 3782 4447 aad5 d83fc6f4a014

48bba7b5 3782 4447 aad5 d83fc6f4a014



91e47af7 d24d 4e48 b2b3 7ecdf3ae753d

91e47af7 d24d 4e48 b2b3 7ecdf3ae753d



As ferramentas estão em uso para testes nos territórios do Médio Mearim, Vale do Itapecuru e Territórios dos Cocais. “Estamos em fase de validação da ferramenta, quando analisamos os resultados na atividade das quebradeiras de coco-babaçu, e diagnosticamos problemas e as necessárias melhorias”, diz o analista da Embrapa Cocais, Marcos Miranda Toledo.

A próxima etapa é voltar ao laboratório para revisar o protótipo. “Faremos mais cinco protótipos aperfeiçoados, com ajustes no redutor de força e na lâmina”, diz Frazão. “A ferramenta está em fase de desenvolvimento, mas é pensada como uma tecnologia social, motivo pelo qual não pediremos patentes”, finaliza Marcos Miranda.

O babaçu é uma das espécies prioritárias do Projeto Bem Diverso, no Território Médio Mearim (Maranhão), bioma Cerrado. Do babaçu se aproveita praticamente tudo, partir dele as cooperativas e associações produzem óleo, farinha, sabonetes, artesanatos e outros produtos. Isso movimenta a economia da região e é uma importante fonte de renda para as famílias da região.