Alto Acre e Capixaba: instituições apostam na organização social para melhorar cadeias produtivas

compartilhar

O Bem Diverso atua nos principais gargalos das cadeias da produção de açaí e castanha-do-brasil

A parceria entre instituições no Território do Alto Acre e Capixaba vai possibilitar a realização de diversas ações com foco na organização social das comunidades extrativistas. O objetivo principal das atividades propostas para 2019 é obter resultados positivos para as cadeias produtivas da castanha-do-brasil e do açaí, dois dos produtos que são foco das ações do Bem Diverso na região, assim como o trabalho com Sistemas Agroflorestais, todos na Reserva Extrativista Chico Mendes. 

“No Acre, o projeto Bem Diverso atua nos principais gargalos das cadeias dos produtos da sociobidiversidade. São comunidades distantes, que enfrentam problemas tanto de estrutura quanto sociais e econômicos. As atividades com foco na organização comunitária propiciam a divulgação de informações técnicas e a adoção de tecnologias de baixo custo, que causam um impacto significativo para os extrativistas da Reserva Chico Mendes”, conta a analista da Embrapa Acre, Dorila Gonzaga. 

Castanha-do-brasil 

Os moradores do Seringal Porvir, da Associação Wilson Pinheiro, que tem a castanha-do-brasil, ou castanha-do-pará, como principal fonte de renda vão desenvolver importantes ações do projeto Castanhal, selecionado em edital público da Fundação Banco do Brasil. A finalização de dos galpões individuais para secagem da castanha, a utilização de uma caminhonete para levar a produção até os pontos de venda e a aquisição de carroças com juntas de bois para o transporte da castanha dentro da comunidade estão dentre as atividades programadas para 2019. Os diretores da associação ainda vão participar de uma capacitação sobre comercialização e mercados institucionais, além de intercâmbio em comunidades extrativistas de Rondônia. 

O monitoramento da produção de castanha, realizado há doze anos por profissionais da Embrapa, continuará esse ano, assim como o mapeamento de 40 castanhais do Núcleo de Base Wilson Pinheiro. A meta é aperfeiçoar os cuidados nas diferentes etapas do trabalho extrativista – da coleta dos ouriços na floresta à logística de transporte – e orientar sobre estratégias de venda mais compensadoras para a comunidade. As ações contam com o apoio do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio).

Galpão desenvolvido pelos profissionais da Embrapa

Galpão desenvolvido pelos profissionais da Embrapa



Galpão desenvolvido pelos profissionais da Embrapa © Mauricilia Silva

Açaí nativo 

O mapeamento de três mil açaizais nativos da espécie Euterpe precatoria Mart. identificados e localizados pelos extrativistas da Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes no município de Epitaciolândia (AC), em 2018, vai permitir o planejamento da safra de 2019, estimada em 21 toneladas.  

“Nossa intenção, junto com profissionais da Universidade Federal do Acre (Ufac) e integrantes da Associação de Moradores e Produtores da Reserva Extrativista Chico Mendes (Amopreab), é reunir a comunidade para definir um acordo de coleta: quantos extrativistas vão coletar, quantificar essa produção e acompanhar o preço de venda do produto nas comunidades Porongaba, Filipinas e Porvir”, afirma Dorila.  

A expectativa dos extrativistas para 2019, além da boa safra, é a aquisição, com apoio do Projeto Bem Diverso, de uma máquina de coletar açaí, desenvolvida por um agricultor paraense. No modo tradicional, é necessário escalar a palmeira, atividade que exige preparo físico e pode ser considerada de risco. 

Segundo a professora da Ufac e coordenadora da atividade, Andrea Alechandre, a previsão para a safra de 2019 é de 21 toneladas de açaí. "O que daria uma renda de R$ 40 mil, nos valores atuais. Consideramos a produção de metade dos pés de açaí mapeados, pois na floresta não é garantido que todas as árvores frutifiquem todos os anos".

Sistemas Agroflorestais

 Os sistemas agroflorestais combinam o plantio de espécies florestais com culturas agrícolas. Uma experiência realizada pela Embrapa Acre e pelo Projeto Bem Diverso em parceria com o agricultor familiar João Evangelista, no seringal Porvir, localizado na Reserva Extrativista Chico Mendes, em Epitaciolândia (AC), mostra que essa alternativa produtiva é economicamente viável e proporciona ganhos ambientais.  Instalado há cinco anos, em dois hectares, o arranjo combina o plantio de seringueiras, açaizeiros, castanheiras, bananeiras e culturas anuais como milho e feijão.  

Esse será o cenário para capacitações de outros extrativistas sobre sistemas agroflorestais (SAF´s) previstas para 2019. Também estão programadas a instalação de pequenas áreas de SAF´s em outras áreas da Reserva Extrativista em parceria com a WWF Brasil e a Cooperativa Central de Comercialização Extrativista (Cooperacre). 

Comunicação Comunitária 

Aliada a essas ações, estão previstas oficinas de comunicação comunitária para jovens da Reserva Extrativista com o objetivo de envolvê-los na organização social das comunidades.  A participação em eventos nacionais será outra oportunidade para os jovens trocarem experiências com outros extrativistas e com diferentes elos da cadeia produtiva da qual fazem parte. Há ainda a previsão de produção, em conjunto com os jovens, de dois vídeos que mostrem o caminho que a castanha-do-brasil e o açaí percorrem até chegar à mesa do consumidor. 

“Teremos grandes desafios essa ano, mas graças as parcerias com profissionais de outras instituições e com os extrativistas esperamos aprimorar ainda mais a qualidade do açaí e da castanha, obter o acesso a novos mercados e, principalmente, melhorar a qualidade de vida dos moradores da Reserva Extrativista Chico Mendes”, conclui Dorila. 

Território

Localizado no estado do Acre, o Território da Cidadania Alto Acre e Capixaba tem 1.530.000 hectares com 77,9% de cobertura florestal. Faz fronteira com Bolívia e Peru e é formado por diversas áreas protegidas, tais como: a Reserva Extrativista Chico Mendes, a Terra Indígena Cabeceira do Rio Acre e Terra Indígena Mamoadate (etnias Jaminawa e Manchineri), a Estação Ecológica do Rio Acre, a Área de Relevante Interesse Ecológico do Seringal Nova Esperança, além de 19 assentamentos da reforma agrária de diferentes modalidades. 

A Reserva Extrativista Chico Mendes conta com cerca de 930 mil hectares, perpassa por sete municípios acreanos: Rio Branco, Capixaba, Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia, Xapuri e Sena Madureira. Atualmente, são mais de 10 mil pessoas que tiram seu sustento da coleta de produtos florestais, da pequena agricultura de subsistência e da pecuária em pequena escala. 

Saiba mais sobre o território: https://bit.ly/2BeL7mV 

Priscila Viudes, Embrapa Acre

Severino da Silva Lopes, seu Silva, do seringal Porvir (AC)

Severino da Silva Lopes, seu Silva, do seringal Porvir (AC)



Severino da Silva Lopes, seu Silva, do seringal Porvir (AC) © Priscila Viudes, Embrapa Acre

Colheita açaí

Colheita açaí



Notícias Relacionadas

Extrativistas discutem como acessar novos mercados para a castanha-do-brasil

A meta é vender a próxima safra de castanha-do-brasil, produto também conhecido como castanha-do-pará, de forma diferenciada

Leia Mais
Extrativistas monitoraram produção de castanhas-do-brasil na Reserva Cazumbá-Iracema

Para colaborar no monitoramento e coletar dados quanto ao custo da atividade da coleta de castanha-do-brasil, técnicos da...

Leia Mais
A sustentabilidade da produção do açaí é o foco no arquipélago do Marajó

O Projeto Bem Diverso promove, desde 2016, treinamentos em manejo de mínimo impacto de açaizais nativos

Leia Mais
Agroextrativistas do Marajó participam de oficina sobre políticas públicas

Diagnóstico socioeconômico das políticas públicas no Território da Cidadania Marajó é realizado pelo Bem Diverso.

Leia Mais